quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Minha primeira cirurgia.

Eu NÃO nasci de pai médico, nenhum parente próximo meu é médico. Então não tive favorecimentos familiares para conhecer a rotina interna de um hospital. Muitos que estudam comigo e cursam o primeiro ano na faculdade de Ciências Médicas de Alfenas, se gabam de já terem ajudado, por exemplo, a mamãe cardiologista ou papai obstetra em alguma cirurgia. Nesse mundo – realmente - quem alcança algum fio do rabo do gato é sempre quem tem contato ou quem tem esperteza e bedelhudeza.

Esperta e bedelhuda eu sou. Contato eu ando fazendo. Desconsidero médico mal educado e às vezes até encho a bola deles. Mas nem meu cabelo longo castanho escuro e nem meus olhos combinantes, também castanhos escuros, têm ajudado muito. Essa simpatia transparente da minha pessoa (Hehe) e a eximia aptidão para fazer a carinha do gato de botas do Sherek, não funcionam quando descobrem que quem está pedindo para assistir uma cirurgia é uma reles aluna do primeiro ano. Uma aluna que não tem conhecimento nenhum de práticas cirúrgicas. Que não tem conhecimento nem mesmo da forma correta de se vestir para entrar no bloco cirúrgico de um hospital.

Eu já tentei várias formas de entrar no HUAV (Hospital Universitário Alzira Vellano). A intenção era conseguir ver alguma coisa interessante no meio da agonia geral que domina os 3 primeiros anos do curso de Medicina. Nessa fase, estudantes estão limitados só a um monte de livrinhos grossinhos.

A primeira tentativa de adentrar no hospital ocorreu quando aproveitei de um trabalho da disciplina de Metodologia Científica. Criei a desculpa de que era necessário entrevistar alunos do quarto, quinto e sexto ano. Esses são encontrados nos seus estágios dentro do hospital. Belezura total! Cheguei nos corredores do Alzira, mas as portas das salinhas de lá de dentro estavam todas fechadas.

A segunda tentativa para ver coisas sanguinolentas no Hospital, era entrar para a Liga de Angiologia. Uma vez na vida e outra na morte, a Liga cede a cada membro a oportunidade de assistir a um plantão do Doutor João Batista. Um cirurgião famoso aqui da faculdade. Passei na prova da Angioliga. Felicíssima, o meu plantão seria dia 25 de setembro. Para atrapalhar tudo, final de agosto todos os plantões da Liga tinham sido cancelados por causa de casos da Gripe Suína no hospital.

Depois dessas frustrações, comecei a confabular estratégias assim meio cinematográficas, como entrar no lixo da faxineira que limpa o bloco cirúrgico. Digo ‘cinematográficas’, mas a possibilidade existe mesmo porque os lixos são bem grandões. Antes de cometer qualquer loucura, eis que me aparece um anjo todo de branquinho que é legal e já se tornou meu amigo. É ele Deodato Rubens, um acadêmico do 4° ano que já conhece um pouco da grande cidade que é o Hospital Alzira Vellano.

Mariana: Deodato, me leva com você para ver alguma coisa?
Deodato: Que alguma coisa?
Mariana: Alguma coisa que tenha muito sangue!

Ele entendeu o meu ‘muito sangue’ e – enfim – me colocou dentro de um bloco cirúrgico. Narro agora para você a experiência da minha primeira cirurgia. Não a primeira cirurgia que eu fiz, é claro, mas a primeira que assisti.
Eu combinei com o Deodato três e meia da tarde de ontem na porta do pronto socorro. Ele atrasou e eu cheguei mais cedo aflita com a possibilidade de estar perdendo alguma coisa que já estivesse na mira de um bisturi. Quando ele chegou, a gente entrou pela porta atrás da recepção sem nem comunicar ninguém. Nós estávamos vestidos de branco e eu ainda estava com o jaleco no ombro. Como assim era só abrir a porta e entrar? O Deodato parecia estar muito íntimo com o lugar.

Então, estando nos corredores - já familiares à minha pessoa - eu não vi a hora de ver uma daquelas salinhas de atendimento se abrirem para mim. O Deodato me apresentou alguns ambulatórios, mas esclarecendo para vocês leitores que são leigos no assunto, ambulatório é um lugar onde pacientes sem grande quantidade de sangue são atendidos. E eu queria sangue!

Mariana: Deodato onde é o bloco cirúrgico?
Deodato: Calma menina!
Mariana: Ah não Deodato! Cadê? E vai dar para ver alguma coisa? Tem cirurgia toda hora? E se não tiver cirurgia? Você conhece os professores (todos os médicos do HUAV são - por conseqüência - professores) que estão de plantão? E se eles não deixarem eu ver nada? Deodato! E se eu desmaiar você me acode? Deodato vamos logo!

O Deodato é calminho. Ele nem se altera muito com a minha euforia. A gente anda por um corredor, sobe outro, vira a esquerda e depois a direita. Aquele lugar é um labirinto. Passa segundo, passa minutos... o meu amigo pára de frente a uma porta. A placa acima dela avisava que estava perto de conseguir o que queria: “Bloco cirúrgico. Entrada restrita”.

O Deodato passa as primeiras instruções:
_ Olha! Você vai entrar nessa porta que é o vestiário feminino e eu vou entrar naquela outra para me trocar também. Tem umas roupas verdes dobradas nos armários e são estas que estão limpas. Você vai me encontrar depois que sair pela portinha do outro lado do vestiário. E ah! Me espera! Não ultrapasse a linha vermelha!

Não entendi a coisa da ‘Linha vermelha’ mas gravei as instruções. Entrei e que emoção! Eu estava vestindo roupinhas verdinhas de fazer cirurgia! Realmente haviam roupas bagunçadas e roupas dobradas. Peguei uma blusa e uma calça devidamente dobradas como dizia a instrução. Fui rápida e sai bem rápido, deixando jaleco e pertences num armarinho lá do vestiário mesmo. O Deodato demorou um pouco e enfim saiu de uma outra porta que dava para o mesmo lugar em que eu estava. Ele me olhou dos pés a cabeça e falou assim:

_ Minha filha! Você tem que tirar a roupa de baixo.
Que indecência! Eu pensei. Depois retruquei:
_ Debaixo tudo? Eu fiquei em dúvida oras!
_ Calcinha e sutiã você deixa!

Que manota! Volto para vestiário para me trocar toda de novo! E... haha, dessa vez eu lembrei de olhar no espelho. Modéstia a parte, eu fiquei muito sexy naquela calçolona verde e naquele camisão verde! Nunca me senti tão poderosa! Sai na porta de novo e dessa vez o Deodato aprovou. Ele me mostrou a linha vermelha no chão, que limitava a passagem do recinto que estávamos para o corredor cirúrgico. Antes de ultrapassar a linha vermelha, faltavam mais alguns detalhes para serem ajeitados no corpo: touca para conter os cabelos, 2 toucas para proteger os pés e máscara. Ai que chique!

O Deodato pergunta se tá tudo pronto e eu respondo que tá tudo mais do que pronto. Pé direito, passo a linha vermelha e... Tcharam! Estou no bloco cirúrgico. =)

Todo mundo ali estava igualsinho a mim e praticamente irreconhecível por causa da máscara. Ninguém identificaria a aluna do primeiro ano.

O bloco cirúrgico é cheio de salinhas e em cada uma acontece uma cirurgia diferente. As portas das salas estão semi-abertas e naquele ponto a única coisa a se fazer era pedir permissão para acompanhar algum procedimento que já estava ocorrendo. A gente - eu e o Deodato - conseguiu entrar em 3 salas. Eu vi 3 cirurgias num dia só! Os órgãos operados foram uma parótida (no pescoço), palato (céu da boca) e a mais interessante e sanguinolenta de todas: Uma fratura em muitos pedacinhos do fêmur (coxa).

As duas primeiras cirurgias não tinham muito sangue. Eram cortes pequenos e não dava para ver muito bem, pois o cirurgião trabalhava bem em cima do local. Já a do fêmur foi simplesmente o máximo! Sangue para todo lado! No chão, nos panos, nos milhares de instrumentos que estavam numa mesa de quase dois metros. O Deodato lembra de me passar as últimas instruções:

_ Não desmaie e não esbarre na mesa de instrumentos!

Eram instruções um pouco óbvias, mas para uma pessoa estabanada - feito eu - essas considerações eram extremamente úteis (principalmente a de não desmaiar). Eu não desmaiei, mas saí da sala umas cinco vezes suando frio.

Eu estava num açougue! Uma bitela de uma coxa estava na cama de cirurgia e um médico - compenetrado - fazia cortes, sugava o sangue do local, usava uma furadeira mesmo nos ossos! Ortopedia é marcenaria com açougue. Até um instrumento tipo martelo ele usava. Na mesa de instrumentos tinham brocas de vários tipos para a furadeira. Haviam ainda afastadores, tesourinhas de muitos tipos, pinças, espátulas, agulhas e coisas muito estranhas mesmo. Não dá para descrever. Na lateral da coxa direita que estava sendo operada no homem havia um corte de fora a fora. Esse corte é feito na cirurgia e a gente o chama de fasciotomia. Serve para romper a membrana que envolve o músculo deixando-o frouxo e livre das compressões necessárias para o acesso ao osso fêmur. Desse corte estava protuso um grande bife: o músculo Vasto Lateral! (Aham! Eu sei Anatomia! Kkk) Dessa carne vermelha brotava muito sangue! E o sangue vermelhinho recebia aquela luz branca e sinistra da sala que ilumina o local operado e quase toda a mesa cirúrgica. Atrás da cabeça do paciente, uma tela monitora os seus sinais vitais. Aparecem as linhas dos batimentos do coração, mas não reparei se havia algum barulhinho de ‘bip’ indicando normalidade do órgão. Uma bolsa de sangue pinga vagarosamente o sangue que vai repor a quantidade perdida na cirurgia. Também existe uma câmara com uma sanfona circular que parece produzir um ar, talvez de controle da respiração do paciente. Eu olho para a cabeça do homem sendo operado e, claro, ele está apagadão. O ortopedista pega mais um bisturi e abre mais um pouco a incisão. Eu aviso o Deodato: To passando mal! A gente sai da sala e eu sento num banquinho milagroso que aparece de repente. Abaixo a cabeça e chupo uma balinha que também apareceu milagrosamente. =)

Depois eu voltei. Entrei e saí da sala de novo ainda por muitas vezes. Era só eu me concentrar no cheiro de sangue que a coisa piorava.

A cirurgia deve ter durado umas 4 horas, mas não a acompanhei toda. Estava bom por aquele dia. A valia de tudo foi que eu resolvi a minha vida: Vou ser cirurgiã. De alguma coisa, mas eu vou ser. O Deodato me abriu as portas daquele hospital e agora eu vou entrar na cara dura toda hora que me sobrar um tempinho. Eles vão ter que engolir aquela que - um dia - será uma das maiores cirurgiãs (de alguma coisa) que esse país vai conhecer. Hihi

21 comentários:

Jeferson disse...

"Que incrível!"(kkk)

Este médico te conhecia?
Muito doido ele não?

Mas o que é realmente incrível é a evolução, de quase desmaiar ao tirar sangue para assistir uma cirurgia jorrando sangue para todo lado e recuperar com uma balinha. ;D

Que você vai ser a melhor cirurgiã , eu não tenho dúvidas!

Mariana Martins. disse...

Eita Jefinhooo!
Num é que narrei para você a minha quase desmaiada em tirar sangue mesmo! Kkkkk
Obrigada pela força meu bem!
______________________________
SENHORES COMENTADORES DO POST ANTERIOR (o da cigarra)!

Respondi os comentários. Depois leiam lá! ;)

.ailton. disse...

que compulsão vampiresca por sangue é essa?

tuas narrações são incríveis. já pensou eu escrever um livro de contos com isso?

Felipe Lacerda disse...

Compulsão por sangue? Quando eu estiver numa situação de risco, quero ser operado por vossa senhoria. Meu sangue é vermelho veneno, cê vai gostar...
Não percam o próximo capítulo de "MAriana e os Glóbulos Vermelhos".
Proximo episódio: "A orgia do catchup"

Luciano Oliveira disse...

Nos meus pesadelos eu já entrei numa dessas salas. Eu prefiriria ver qualquer filme de terror do que conhecr uma sala destas.

André Luiz Faria disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
André Luiz Faria disse...

Essa menina é fogo, eu não posso ver sangue que caio duro pra trás, já ela em sua busca incansável pra assistir uma cirurgia, juro que ouvi a musiquinha tema do Filme Missão Impossível. Hehehehehe!!!

Vamos lá Mari rumo a título de cirurgiã mais famosa do Brasil.

Diário de um Amigo Secreto disse...

Estou realmente maravilhado com o texto, vc realmente sobe descrever cada momento, vou visitar sempre esse blog e espero um dia chegar onde vc chegou e um dia ser também um grande cirurgião, que é o que sonho, atualmente estou cursando, Ciência da Computação na estadual aqui do meu estado(UERN). Mas não aguento mais, quero poder viver a medicina, salvar vidas e fazer o que gosto!
Só falta o vestibular, mas sei que vou vencer, e vai ser a primeira de muitas vitórias!

Beijos!

Gui disse...

Bom nada demais... quando vc passar pela cirurgia geral vc vai encher o saco de tanto ter que auxiliar.. Se vc quer já ir se metendo devagarinho, faça amizade com algum cirurgião e comece se oferecendo para auxiliar e aprender a instrumentar. Você com certeza vai conseguir arregos. Mas tente com alguém bom e sério, senão vc vai se meter em fria. Isso eu te garanto porque não só essas pessoas dispensam então o auxílio de outro profissional (que têm que pagar naturalmente, e não é pouco), como serve para vc conseguir horas complementares curriculares (basta pedir um atestado carimbado pelo profissional). É uma troca de favores.

fica a dica ;)

Clara disse...

Adorei!
Numa recomendação li esse post e acabei lendo tudo!
ASUHHUASHUASHUAHU
E ocorreu uma bela catarse aqui. Eu tenho raiva da yoko, sou beatlemaníaca e eu fui na pré-estréia de Harry Potter, mas ir somente não é o bastante. Fui com um HP pintado de batom vermelho nas bochecas e é claro, um raio na testa e um óculos igual ao do Harry. Calma, antes de você mudar de endereço de blog por minha causa, eu tenho uma explicação: foi uma aposta e tive meu ingresso, inteira, pago =D

Kleiton_pfm disse...

Parabéns Mariana, você escreve muuuuito bem, pqp! Parece loucura, mas o seu modo de descrever o ambiente, o tempo, os detalhes, me lembra muito o da J.K.Rowling =D

luan disse...

incrivel demais!!!!!
é tudo de mentira neah?
mesmo que não for eu amei
sou viciado por sangue tbm
quero ser medico tbm e cirurgião!!!

Mythus disse...

Deodato é um santo. Eu teria mandado você ficar quieta, baixar a euforia e, só depois, seguir contigo.

Hilária sua primeira troca de roupa. hehe.

Já eu, tenho absolutamente certeza que não nasci para ver as entranhas de ninguém. (Com o perdão do trocadilho) vai ser um parto se minha mulher quiser me convencer a acompanhá-la quando vier o rebento.

M. Tristao disse...

Muito interessante a historia.. se inspirando na historia dos professores em uaheuae sabia q NAO pode fazer isso ne.. porém... fiquei curioso d+ agora, quand for la de novo me chame. to precisando conhecer alguem do quarto tbm... ou virar instrumentista :D HAHUAAUH
Bejo

Carolina disse...

Nossa Mari kkkkk
Amei a história...
Tb sonho ser uma cirugiã carniceira kkkkk
Quem sabe partir o coração de alguns =)
Da proxima vez me chama tb!!
Obs. vc escreve muito bem ;D

marlon disse...

Emocionante sua narrativa....
Como eu disse uma vez, para sua turma torno a repetir agora só pra você: "Não tenho dúvidas de que ainda vou ouvir falar muito de você, e acredito que somente coisas surpreendentes"

Felipe_bocao disse...

Muito bom Texto!!!!!!

Vc já assistiu Rambo IV ?? Acho que é sua cara rsrsrsrs

Abç.

オテモヤン disse...

オナニー
逆援助
SEX
フェラチオ
ソープ
逆援助
出張ホスト
手コキ
おっぱい
フェラチオ
中出し
セックス
デリヘル
包茎
逆援
性欲

Anônimo disse...

Olá.. Hoje assisti a uma cirurgia ao olho, e senti-me mal.. Vim embora sem voltar a experimentar de novo entrar. Agora tou preocupada porque o meu emprego depende disso. Mas o teu texto deu-me forças para voltar a tentar e pensar que sou capaz!

Ana, Portugal

Joel disse...

Muito legal o texto, há 5 meses atrás estava num bloco cirúrgico também colocando uma haste no meu fêmur da perna esquerda, depois voltei pra tirar um parafuso ...da primeira vez não me lembro de nada da 2° lembro de tudo...gostei do açougue rsrsrsr

Anônimo disse...

Oi Mariana! Tão bom ler seu relato! Hj fui assistir uma cirurgia pela 2ª vez na minha vida e era uma laparotomia para tirar um apêndice que arrebentou. Cheiro de sangue e pus horrível, mas vamos q vamos. A médica estava me deixando auxiliar com os afastadores, eu estava adorando quando de repente... Minhas vistas ficaram pretinhas e tive que sair da sala. Fiquei muito chateada mas agora que li seu relato estou achando a situação mais normal. Boa sorte para nós, futuras cirurgiãs! Um abraço.