quinta-feira, 15 de abril de 2010

Fazendo mundos menos embaçados.


Eu nasci com os olhinhos meio ruins mesmo. Uma alteração conformacional do globo ocular que hoje bem entendo pelos estudos na área médica. Mas assim... eu descobri o milagroso objeto que limpava o mundo (óculos) só com sete anos, e na escola. A professora deve ter notado que a pequena menina bochechuda apertava os oim para conseguir entender alguma coisa do Be-A-Bá no quadro. E ela sentava bem na frente. E não adiantava muito.

O mundo é feio embaçado. Na época ela não entendia isso. Ela não conhecia o mundo cheio de detalhes, cores e contornos. Mas, mesmo assim, ela o achava bonito porque era simplesmente o único mundo que ela conhecia. Num certo dia então, descobriram que a menina precisava de óculos. Uma moça a chamou, junto com seus coleguinhas, para um teste de visão. Ela sentou na cadeirinha (essas pequenas mesmo, que só gente pequena senta e numa escola de gente pequena têm muitas). Na frente, um papel com um monte de “És” certos e tortos, de vários tamanhos. A instrução era: “Menina, do jeito que você ver o “É”, faça com o dedinho!”. Um olho é tapado com uma colher mesmo, para avaliação separada da acuidade visual. E Ixa! Com os dois olhos a menina bochechuda só viu os “És” de forma certa até a quarta fileira. De orgulhosa que sempre foi, sem admitir que não via os outros “És”, ela foi fingindo e errando. Resultado: Um óculos da Mônica cor de rosa e redondo; um monte de coleguinhas a chamando de “quatro olhos”; uma menina esperta e inteligente; e uma adolescente envergonhada, mas que, para o bem, dosou bem sua sensualidade e se dedicou muito aos estudos.

Hoje a menina cresceu, é essa marmanjona que acaba de completar 21 anos e que vos escreve. Ainda bochechuda, cabeluda e apreciadora desse mundo limpo e nítido que posso ver com os óculos.

Peça do destino, essa semana me tornei a moça que testava a visão de alunos de uma escola aqui de Alfenas - MG. Foi parte de um trabalho para créditos em uma disciplina da faculdade de Ciências Médicas. Na visita à escola, passaram pela gente muitas salas, muitas idades, muitos olhos de águia, muitos novos usuários de óculos. Mas um caso especialmente me emocionou. Uma menina bochechuda, cabelo castanho escuro, nariz empinadinho também. Mão gordinha usando esmalte rosa feito o meu. Ela falou certo até a quinta fileira de “És”, mas depois embananou tudo. Resultado: Um bilhete para os pais a levarem no Oftalmologista. A garotinha saiu com o papel sem entender muito do resultado daquilo tudo. Só desejei mentalmente assim: Vai viver seu mundo mais colorido e seja muito feliz nele!

8 comentários:

Felipe disse...

Mariana,

Sou fã do teu blog! Talento simples e indiscutível os seu.

Escreva mais!

Ps.: Faltou a foto da menina pequenininha, buchechuda com óculos da turma da Mônica kkkkk

abç..
@Felipe_bocao

Danilo Araújo disse...

É moça...

Hoje esses oim conquistam quem quiser nesse mundão e uma das cenas mais lindas que já vi foi você sorrindo com eles...

Beijão! :-P

ailton disse...

já não era sem tempo, hein? que sumiço!

ou será que não sumiu? será que foram meus olhos que perderam a acuidade?

Luciano Oliveira disse...

Até ano passado eu achava que tinha boa visão, mas hoje meu mundo é empassado. Não acho o mundo feio, só triste. E por ser extremamente teimoso, não quero usar ocúlos.

tava com saudade das suas postagens Mariana.

Salete Inêz disse...

Ainda bem que esta menina assim como você poderá ver este nosso mundão lindo, e quem sabe daqui alguns anos esta mesma história se repita, já estava com saudade de ler seu blog, saudade...

sara.coelho disse...

LIN-DO...

sara.coelho disse...

A

Anônimo disse...

oi gostaria que conhecessem o meu blog sobre a minha experiência pessoal com a síndrome do pânico, agradeço desde já a visita, obrigado.